quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Um louco no hospício

O administrador do sanatório conta:
"Bom, simplismente, ele já tinha seus 25 anos, não tinha família (tinham o abandonado). Só tinha a mim. Um dia o encontrei assistindo televisão e fiquei curioso. Era um programa evangélico. Eu não tinha religião na época. Ele acordava todos os dias muito cedo só para assistir o programa. Em um dia chuvoso, me pediu para ir à Igreja evangélica mais próxima. Eu neguei. Estava chuvendo e, fala sério, ele é louco como pode querer seguir uma religião? Se conformou!

No outro dia, me pediu de novo e ainda argumentou dizendo que não estava chovendo(com certeza, uma das enfermeiras deve ter comentado isso com ele). Não tive como negar.
Lá, ouvia tudo silenciosamente como se não fosse dependente de mim. Decidi que ia levá-lo lá todos os domingos.
Num belo domingo de sol, fomos na Igreja outra vez e decidi que seria o último. Muito fervoroso como jamais esteja nos outros cultos, foi batizado no Espírito Santo. Foi tão lindo que chorei.

Ao chegar no sanatório, disse-me que queria sair dali, que estava curado e que ia seguir sua vida, sempre seguindo à Deus. Eu deixei. Afinal, senti que o renovo fora completo. Chorei mais uma vez.

Hoje, já tem um emprego e namora com uma mulher da Igreja.
Eu, aceitei á Jesus graças a Deus que usou aquele que era louco."

"Nem um louco errará o caminho que conduz o homem à salvação"
( História fantasiosa )