sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Asas nos olhos não são sobrancelhas

E por que fariam as coisas tão apressadamente? Somos só pessoas. Já pensou nisso? Somos SÓ pessoas. Por que a enorme expectativa? Não que a acomodação com a maldade e seus filhos rebeldes possa nos trazer a felicidade. É só uma pausa. Olhe o céu, ignorando uma resistência. Por que correria? Já não tenho vontade de seguir sem parar e olhar as coisas ao redor dos meus passos ligeiramente trêmulos. Por que tentaria? E nem responda, afinal já sabe que sou uma irritante argumentadora com freios leves.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Fortalezas

Por que nos enganamos, se a morte mal nos pode esperar? Mas fazemos mil planos de borracha, esquecendo dos poucos graus que eles aguentam. Não que viver em pleno desprendimento não seja um desvario, mas só há algo mais (e único) em que pôr o tesouro é sadio.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

domingo, 15 de setembro de 2013

Manhã criativa (jogo)

Passado que condena, quão dolorosa a lembrança! Mago sem dó enfeitiça, minha sina tem início. Eu poderia fugir, mas só me restam dez minutos. Eu já não encontro tua luz, oh saída infinitamente desejada. Eu nem lembro como é minha verdadeira realidade, longe dessa agonia. Será que não é demais aquilo que me condenaste a fazer, mago? Será que já não basta?

sábado, 14 de setembro de 2013

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Essas paixões de hoje em noite

Eu sou perdidamente apaixonada pela espontaneidade da vida, pela beleza de uma careta e pela brincadeira momentânea, porém persistente.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Desconhecimento ou desconstrução

É amor quando se sente um friozinho ou borboletas na barriga? É amor quando não se consegue esquecer alguém? É amor quando alguém faria qualquer coisa pra fazer outra pessoa feliz? Define-te, amor, que muitos já não te conhecem, mas não te restrinjas ao que fazes. Quanta idealização! Quanta imaginação para encobrir o real!