sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Revoltas e memórias

Eu tentei guardar, entende? Não é que eu tenha cansado do que foi deixado. É só que eu já não me interesso pelas mesmas coisas. Se eu mudei? Possivelmente. Mas eu persisti até que pudesse me livrar da obrigação de guardar sua memória, mas não há motivo para amarrar minhas correntes nos pés dessa estante de folhas de papel amareladas. Não me encontro mais na posição de quem está te guardando para quando você vier. Não permaneci estável. Movi palhas. Joguei ao vento e ajuntei-as de novo. Depois, deixei só. Então, volte você, junte você a você mesmo e o leve para longe.

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Sobre pesquisas tendenciosas

Assisti a um vídeo em que se apresentava a crianças situações em que uma pessoa pedia outra pessoa do mesmo sexo em casamento. Logo notei que havia um esforço em convencer o espectador a defender o casamento entre homossexuais. Pensei em me posicionar: acho que ilegal é uma palavra muito forte. Lembro-me de que uma das crianças diz que ninguém pode ser impedido de fazer o que gosta. Só para constar, ela não disse isso por dizer. Toda uma sequência de perguntas cooperaram para o desenvolvimento dessa afirmação na cabeça dela. Enfim, disse isso. E eu fiquei pensando: bom, beleza, mas, se uma pessoa gosta de se embebedar até que perca a consciência, eu devo dizer que está certo? Acho que o casamento deles não deve ser ilegal, porque eles não cometem um crime fazendo isso, mas penso que as religiões não devem ser impedidas de demonstrar suas noções de certo e errado. Segue quem quer! Não pense ingenuamente que a legalização fará com que as relações homoafetivas sejam aceitas por todos. Por outro lado, e bem extremo, diga-se de passagem, não vejo democracia na ideia de um líder religioso ser obrigado a ministrar ou abençoar esse tipo de cerimônia. Chega a ser ditatorial!

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Lecrae e Rudy Currence - Lucky Ones (sortudos)

"Quando está tudo dito e feito, você e eu somos os sortudos. Lutamos muito e vamos lutar a noite toda, até vermos o sol. Nós somos os sortudos. Nós somos os sortudos. Estamos aqui.
Sob o sol, descobri que fomos deixados para afogar. Mal abunda, o peso está nos decepcionando. Sem imagem ou som, comprometido ao cuidado dEle. Correndo atrás do vento, correndo atrás do ar, Merecedor de deserção, servos de destruição, e todos os dias provamos da graça com a qual estamos despreocupados. Eu devia ser queimado com meu pecado. Eu sou culpado, imundo e sujo, mas Ele se tornou maldito, bebeu o meu copo e levou minha dor. E, por isso, Ele reina. Através da fé, estou mudado. Eu não sei os motivos pelos quais Ele me libertou das cadeias. Eu não acredito em sorte, acredito em Graça. Mas eles dizem que temos sorte porque nós temos visto Seu rosto. E ouvimos que Ele nos chama e Ele ouviu a nossa resposta e Ele nos dá uma segunda chance, quando desistimos tão cansados ​​e partidos, esperançosos de que os braços dEle estarão abertos. O amor incondicional nos tem mantido no foco (Eu acho que somos os sortudos, hein?)
És maior do que a minha vergonha, minha culpa, minha dúvida e meu passado. Feliz por confiar em Ti porque eu duvidava de Seus planos. Eu tenho questionado os seus caminhos. Cada questão que levantei é loucura em comparação com montanhas, o vento e as ondas. Sempre lembras de nós. Nós, que ascendemos do pó. Amas este trapaceiro, as batidas desse coração e esses olhos cheios de luxúria. Deu-nos poder para combater tudo isso, embora nos escondamos em silêncio. Nós temos a fé para começar um tumulto, como podemos negá-Lo? O fogo dentro de nós que incendeias quando começa a diminuir. E, colocando dessa forma, sou pecador. Por isso, Teu amor é essencial. Eu não acredito em sorte, não, eu acredito na Graça Mas eles dizem que temos sorte porque nós temos visto Teu rosto. Senhor, ouvimos que nos chamas, ouviste a nossa resposta e nos deste uma segunda chance, quando desistimos. Estou cansado ​​e partido, mas Teus braços estarão abertos. O amor incondicional nos tem mantido no foco."