segunda-feira, 16 de junho de 2014

O apocalipse do ciclo da prosa

Descobri que tenho uma sina! Os romances na minha vida são um ciclo. Sem que eu quisesse, eu me acostumei. Comecei a até preferir que o ciclo me prendesse a mim mesma, sem que pudesse me transformar. Então, amei o ciclo. Mas quero querer que seja amor da próxima vez; que seja definível, definitivo. Que seja fixo, mas que me surpreenda sempre. Que seja uma nave espacial. Que seja para voltar juntos, para ter para quem voltar. Finalmente, quero querer que seja inevitavelmente, visivelmente amor, e permanentemente. Nada de ciclos.