terça-feira, 1 de julho de 2014

Esses versos embaraçosos que dá vontade de expor (masoquismo?)

Não pense que sou assim com todos.
Sou de Lua,
Do mundo da Lua.
Não pense que vou com todos.
Sou movimento de lamento,
De pensamento.
Não pense que sou feliz com todos.
Felicidade é esse mito, alarido.
Sou apenas um grito.
Não pense que me decifra.
Sou furacão sem precedente.
Nem tudo que demonstra sente.
Nem pense.
Nem sou.